21 novembro 2006

O papel do professor e as dificuldades encontradas em sala de aula

Antes de tudo, devemos dizer que ensinar realmente trata-se de uma arte, mesmo que muitos não concordem com esta afirmativa. O motivo para tal designação decorre do fato de que o professor deve, para obter êxito em sua tarefa, possuir metodologias, aptidões e muita força de vontade ao tentar ensinar os alunos. Muitos professores têm algumas dessas características, mas não todas. Os professores ideais são raros! Mas, na minha opinião, existe um fator principal do qual depende todo o resto. Este fator pode resumir-se em “desejar o aprendizado do aluno”. Um professor que deseja o crescimento do seu aluno, como pessoa e futuro cidadão integrado à sociedade, é um verdadeiro mestre. Para que o professor possua este desejo em seu interior, obviamente que um outro sentimento faz-se necessário: a amor pela profissão. Existe uma longa distância entre um professor que dá aula por prazer e outro que dá aula por dever. Certamente os alunos percebem facilmente esta diferença. Quantos de nós lembraremos dos professores que fizeram alguma diferença em nossas vidas? Que realmente nos ensinaram algo importante? Estes professores ficam marcados em nossa memória, se não por toda a vida, pelo menos por um longo período de tempo. Porém, certamente não basta que o professor seja um apaixonado pela sua profissão. Ele também precisa “dominar o conteúdo” que deverá ensinar aos alunos e também deverá “possuir uma metodologia” para fazê-lo de modo satisfatório. O grande pedagogo Comenius, já no século XVII, com sua famosa pansofia (ensinar tudo a todos), instituía a necessidade de uma ordem no ensino. Os livros de texto surgiram através dele, e a partir daí iniciaram-se as metodologias empregadas pelos professores hoje em dia. Vale ressaltar que, naquela época, não existia um método para dar aula, e cada professor ensinava da forma que melhor lhe convinha, tornando assim a educação desparelha e irregular. Mas, voltando ao papel do professor no ensino de hoje, podemos citar mais uma questão polêmica. O professor deve “ensinar” ou “educar” os seus alunos. Muitos dizem que os pais devem educar, e os professores apenas ensinar. Porém, a realidade acaba sendo outra. No fim das contas os professores acabam também educando os seus alunos. Talvez o ideal seria procurar o equilíbrio nesta questão: uma cooperação entre pais e professores. Porém, estes são ideais aparentemente utópicos, mas possíveis de serem realizados. Acontece, na realidade, que muitas vezes o professor acaba sendo pai e mãe do seu aluno, ensinando coisas que deveria ter aprendido em casa. Esta é a realidade! Mas as diferenças entre uma escola e outra é muito grande. Possivelmente até mesmo a localidade em que se encontra uma escola interfere no tipo de aluno que a freqüenta, e conseqüentemente no tipo de aula e atitude que o professor deve adotar perante a turma para tentar atingir o seu objetivo. No meu entendimento, parece impossível atingir todos os alunos numa aula, devido a heterogeneidade da turma. Nesse sentido, o professor deve esforçar-se ao máximo para tentar atingir e levar o conhecimento ao maior número possível de alunos. Isto muitas vezes poderá decepcioná-lo, pois sabe que não conseguirá atingir a todos, como gostaria. Diante disso, podemos dizer que o papel do professor, hoje em dia, é muito mais do que ensinar os alunos. O professor, para que possa cumprir com sua tarefa, deve ser um pouco educador, conhecedor do conteúdo que tentará ensinar aos alunos, compreensivo a ponto de conhecer as suas dificuldades, consciente das deficiências no ensino e, principalmente, conhecedor de um método baseado em todas as dificuldades já expostas anteriormente, para que possa levar o conhecimento e ver o resultado do seu trabalho absorvido pela maioria possível de alunos. O professor deve ser flexível, buscar alternativas e usar muito a criatividade. Paciência e dedicação também são muito importantes na execução de sua tarefa. E, finalizando, o professor deve ter muita consciência de sua responsabilidade, pois ser professor não é um trabalho como outro qualquer, uma vez que de suas instruções e intenções depende talvez o futuro de muitos alunos, que poderão também vir a ser os futuros professores. E por isso deve ter muito cuidado, pois um professor geralmente “ensina da maneira que aprendeu”.
***
Anderson Boni Signori

Nenhum comentário: